-

Sol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.

20/05/2020 14:33

Boletim epidemiológico sobre a Dengue ainda traz números alarmantes

Dados divulgados no último dia 19 de maio mostram 7.257 casos notificados sendo 4.212 confirmados

Fotos Crédito: Divulgação/NCS/PMI

Fonte: Núcleo de Comunicação Social/PMI, com informações da Secretaria Municipal de Saúde

A situação das arboviroses provocadas pelo mosquito Aedes aegypti ainda é preocupante em Ibiporã, que continua em estado de epidemia. Em relatório divulgado na última terça-feira (19) pelo Setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, aponta que até a presente data foram notificados 7.257 casos, sendo 4.212 positivados, 2.429 descartados e 616 ainda não foram encerrados.

Entre os confirmados, 101 pacientes apresentaram “dengue com sinais de alarme” e três casos tratados como “dengue grave”, sendo que um evoluiu a óbito. Desse modo, a incidência de casos até o momento é de 8.044,992/100.000 habitantes.

De acordo com o Setor de Vigilância Epidemiológica, a circulação viral tem sido do vírus tipo 2, tendo sido identificado 30 casos. Também foram investigados três casos suspeitos de Chikungunya, todos já descartados. Um caso e Zika Vírus foi notificado, porém, também foi descartado.

Dengue, Chikungunya e Zika são arboviroses de importância sócio econômica, que afetam o ser humano e constituem em sério problema de saúde pública no mundo. As doenças ocorrem e disseminam-se especialmente em países tropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que é o principal vetor.

Apresentam sazonalidade coincidente com o verão e o controle principal são medidas de combate ao mosquito transmissor. A Secretaria Municipal de Saúde vem aplicando um novo inseticida chamado Cielo-ULV, que foi adquirido pelo Ministério da Saúde. O inseticida está sendo aplicado pelos agentes de endemias por meio da bomba costal.

O produto é um reforço no combate à Dengue, porém, ainda se faz necessário o cuidado e participação por parte da população

Previna-se!

Garrafas PET e de vidro:
 As garrafas devem ser embaladas e descartadas corretamente na lixeira, em local coberto ou de boca para baixo;

Lajes: Não deixe água acumular nas lajes. Mantenha-as sempre secas;

Ralos: Tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso;

Vasos sanitários: Deixe a tampa sempre fechada ou vede com plástico;

Piscinas: Mantenha a piscina sempre limpa. Use cloro para tratar a água e o filtro periodicamente;

Coletor de água da geladeira e ar-condicionado: Atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado;

Calhas: Limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água;

Cacos de vidros nos muros: Vede com cimento ou quebre todos os cacos que possam acumular água;

Baldes e vasos de plantas vazios: Guarde-os em local coberto, com a boca para baixo;

Plantas que acumulam água: Evite ter bromélias e outras plantas que acumulam água, ou retire semanalmente a água das folhas;

Suporte de garrafão de água mineral: Lave-o sempre quando fizer a troca. Mantenha vedado quando não estiver em uso;

Falhas nos rebocos: Conserte e nivele toda imperfeição em pisos e locais que possam acumular água;

Caixas de água, cisternas e poços: Mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria;

Tonéis e depósitos de água: Mantenha-os vedados. Os que não têm tampa devem ser escovados e cobertos com tela;

Objetos que acumulam água: Coloque num saco plástico, feche bem e jogue corretamente no lixo;

Vasilhas para animais: Os potes com água para animais devem ser muito bem lavados com água corrente e sabão no mínimo duas vezes por semana;

Pratinhos de vasos de plantas: Mantenha-os limpos e coloque areia até a borda;

Objetos d’água decorativos: Mantenha-os sempre limpos com água tratada com cloro ou encha-os com areia. Crie peixes, pois eles se alimentam das larvas do mosquito;

Lixo, entulho e pneus velhos: Entulho e lixo devem ser descartados corretamente. Guarde os pneus em local coberto ou faça furos para não acumular água;

Lixeira dentro e fora de casa: Mantenha a lixeira tampada e protegida da chuva. Feche bem o saco plástico

Saiba quais são os sintomas

A orientação da Secretaria Municipal de Saúde é que aos primeiros sintomas de dengue (febre alta, dores articulares, musculares e de cabeça, manchas avermelhadas na pele e indisposição), e Chikungunya (febre, dor de cabeça, mal estar, dores pelo corpo e muita dor nas juntas) a pessoa se dirija à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência para que o diagnóstico inicial e a notificação sejam feitos. Normalmente, os sinais de alarme ocorrem entre o terceiro e quinto dia, esse é o chamado período crítico para dengue. Tratado com hidratação e medicação sintomática corretamente, a maioria dos casos evolui para cura.

Confira no link abaixo o Boletim completo elaborado pelo Setor de Epidemiologia da SMS
http://painel.ibipora.pr.gov.br/uploads/pmibipora/downloads/php2sGodE_5ec6635d158d1.pdf