11/09/2020 12:40

Setembro Amarelo alerta para problemas de saúde mental na pandemia

Campanha mundial de prevenção ao suicídio ganha ainda mais relevância por conta da pandemia da Covid-19 e todas as conseqüências para a saúde mental

Fotos Crédito: Divulgação

Fonte: Caroline Vicentini/NCS/PMI

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Este ano, contudo, a campanha traz um componente a mais como fator de risco para as questões ligadas à saúde mental, que é a pandemia da Covid-19.


Além das situações relacionadas à doença, como o grande número de infectados, de internados e de óbitos, a pandemia impõe o isolamento e distanciamento social como medidas para evitar a proliferação do novo coronavírus, cobrando um custo emocional alto. Especialistas já constataram neste período um aumento expressivo de transtornos de humor, principalmente ansiedade e depressão, além do agravamento de quadros já existentes. O aumento de taxas de suicídio também é uma hipótese que deixa os profissionais em alerta. “Dados apontam que 90% dos suicídios poderiam ser evitados, ou seja, a prevenção pode impedir que outras tentativas sejam realizadas. E o primeiro passo para a prevenção é a busca de informações. Apesar de o suicídio ser um fenômeno complexo, com múltiplas causas e fatores, tais como: biológicos, psicológicos, sociais, ambientais e culturais, podemos identificar alguns sinais em alguém que está precisando de ajuda: tristeza, isolamento, desânimo, falas como “não aguento mais” ou “preferia estar morto”, perda do prazer em atividades que realizava, tentativas prévias de suicídio”, orienta a coordenadora de Saúde Mental da Secretaria de Saúde, Anna Lucia de Azevedo.


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de um milhão de pessoas se suicidam por ano em todo mundo. A cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo. No que se refere às tentativas de suicídio, o número é ainda mais assustador: uma pessoa atenta contra a própria vida a cada três segundos. No Brasil, são registrados cerca de 12 mil suicídios anualmente.


A grande maioria dos casos de óbito por suicídio está relacionada a transtornos mentais, em sua maioria não diagnosticados, tratados de forma inadequada ou não tratados de maneira alguma. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e do abuso de substâncias.

 

“É Preciso Agir”


O mote da campanha “Setembro Amarelo” deste ano é "É Preciso Agir", cujo foco é buscar maneiras de agir efetivamente na prevenção, encaminhando as pessoas ao tratamento correto, evitando que ocorram novas tentativas, protegendo a vida do paciente e de quem convive com ele.


Pessoas que precisam de ajuda sobre questões ligadas à saúde mental ou que conhecem pessoas que precisam deste tipo de apoio e tratamento devem procurar ou indicar a Unidade Básica de Saúde mais próxima, ou um Caps (Centro de Atenção Psicossocial). Em caso de emergência, o contato é o SAMU ou a UPA (Unidade de Pronto Atendimento).


Ibiporã conta com um Caps Adulto e um Infantil (Capsi). O Caps é um serviço de atendimento de saúde mental criado para ser substitutivo às internações em hospitais psiquiátricos. É um lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais graves, cuja severidade e persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário e personalizado.


O objetivo dos Caps é oferecer atendimento à população, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários.

 

Além disso, toda a Rede de Atenção Primária do município está preparada para fazer um acolhimento humanizado e uma escuta qualificada de pacientes em sofrimento psíquico. Em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, são realizadas frequentemente palestras com alunos e professores, por meio do programa “Saúde na Escola”, e também palestras e capacitações em empresas e entidades.

 

 

Programação do “Setembro Amarelo” em Ibiporã

 

 

Ao longo do mês, os CAPS de Ibiporã estão trabalhando a temática com os pacientes principalmente nas atividades dos grupos terapêuticos. Segundo a coordenadora do Capsi, Roseli Ciaca, eles são incentivados a compartilhar seus sentimentos, dificuldades e aprender a ouvir as dores do outro. “Com a pandemia, constatamos um aumento expressivo de pessoas com sintomas ansiosos e depressivos. O isolamento fez com que as crianças e adolescentes se afastassem de sua rede socioafetiva: amigos, colegas de escola, familiares, podendo ser um fator de risco para a saúde mental. Durante as oficinas, os pacientes são incentivados a socializar suas dificuldades, reconhecer as suas emoções e saber lidar com elas”, explica Roseli.


Já os profissionais que atuam nos serviços de saúde pública estão sendo capacitados, conscientizados e sensibilizados para que reconheçam os fatores de risco para o suicídio, proporcionando à população o acolhimento, escuta empática e o cuidado necessário. No dia 16 de setembro, os servidores participarão de um evento online promovido pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Coordenação de Saúde Mental, com a psicóloga da Divisão de Atenção à Saúde Mental da Secretaria da Saúde do Paraná (SESA), Flávia Figel, sobre “O papel da Rede na prevenção do suicídio”.

 

Onde procurar ajuda:

 

APS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).

UPA 24H, SAMU 192, Pronto Socorro; Hospitais

CAPS Adulto: Rua Francisco Cândido Pereira, 45 – Fone: 3178-0367

CAPS Infantil: Rua São Vicente de Paula, 215 , Centro  - Fone: 3178-0341

Centro de Valorização da Vida – 188 (ligação gratuita). O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, email, chat e voip 24 horas todos os dias.

A ligação para o CVV em parceria com o SUS, por meio do número 188, é gratuita a partir de qualquer linha telefônica fixa ou celular.

 

Também é possível acessar www.cvv.org.br para chat, Skype, e-mail e mais informações sobre ligação gratuita.